As Filhas do Rei (Filles du Roi)

As Filhas do Rei (Filles du Roi)

15/06/2021 0 Por William Zimmermann
Compartilhar:

Entre 1663 e 1673 a coroa francesa patrocinou a emigração de centenas de mulheres francesas para a Nouvelle France (Nova França), atual Québec. O objetivo? Corrigir uma desproporção brutal na população. Essas mulheres ficaram conhecidas como as Filles du Roi, ou Filhas do Rei. Conheça a sua história.

Em 1608, foi fundada por Samuel de Champlain a cidade de Québec. Nascia ali o Canadá. Em seguida, outras cidades foram sendo formadas, como Ville Marie, hoje, Montréal. No entanto, por muito tempo essas cidades não passavam de entrepostos comerciais com a França e outros Reinos, o que acabou gerando um crescimento populacional muito lento e desproporcional.

Naquela época, a França governava sua colônia por meio de empresas ou companhias que detinham o monopólio do comércio de peles e especiarias. Em troca desta exclusividade, o Rei exigia duas coisas: o pagamento de impostos e o compromisso das companhias de colonizar as novas terras e aumentar a sua população.

It’s raining men! Está chovendo homens…

Por décadas, a Compagnie de la Nouvelle-France também conhecida como Compagnie des Cent-Associés, fundada em 1628, deteve esse monopólio na Nouvelle France. Porém, ela tinha um desafio monumental pela frente: em 15 anos, ou seja, de 1628 até 1643, a colônia deveria passar dos cerca de 200 a 300 homens para 4.000 pessoas, de ambos os sexos. Um crescimento de mais de 1300%. A única saída possível seria promover a imigração em massa de famílias, homens e mulheres solteiros para a Nova França.

No entanto, 20, 30, 40 anos passaram sem que a companhia atingisse seu objetivo. A população cresceu bastante, mas estagnou em torno de 2.500 pessoas nos anos 1660. Para se ter uma ideia, em 1665-1666, havia na colônia, na faixa etária produtiva dos 16 aos 40 anos, 719 homens solteiros para somente 45 mulheres solteiras.

YARN | It's Raining Men! Hallelujah! - It's Raining Men! | The Weather  Girls - It's Raining Men | Video gifs by quotes | 70e31e99 | 紗
Gomo diriam as Weather Girls, “It’s raining men!”

Em sua maioria, esses homens eram agricultores, coureurs des bois, comerciantes e militares. Para agravar ainda mais esta desproporção, em 1665, a França decide enviar para o Québec 1.300 soldados franceses integrantes do Regimento Carignan-Salières afim de ajudar no combate às pilhagens e aos assassinatos de colonos promovidos pelos nativos Iroqueses. Segundo certas fontes, a população local passou para cerca de 3.215 pessoas, majoritariamente homens, evidentemente.

Tentativas de equilíbrio

Algumas décadas antes, em 1642, é fundada a cidade de Ville Marie, atual Montréal. Isso faz com que mais pessoas cheguem da França para colonizar as novas terras. Segundo relatórios da época, entre 1634 e 1663, mais de 200 mulheres solteiras, chamadas de filles à marier, ou moças para casar, se estabelecem na Nova França. Porém, como mencionado antes, isso não minimizou a disparidade. Em 1665-1666, havia quase 16 homens solteiros para cada mulher solteira na mesma faixa etária.

As Filhas do Rei (Filles do Roi)

Em 24 de fevereiro de 1663, a Compagnie des Cent-Associés é dissolvida a mando do Rei Louis XIV. A colônia fica então sob o controle de um Conselho Soberano. Dois anos após, Québec recebe seu primeiro Intendente, Jean Talon. Na verdade, ele foi o segundo, já que Louis Robert havia sido o primeiro a ser designado, mas o cara nem pisou os pés em Québec.

Jean Talon
Retrato de Jean Talon

Você deve estar se perguntando: que diabos faz este tal de Intendente? Na Nova França, o intendente era uma espécie de chefe civil, como um governador, mas com mais poderes e cacife que este.

A missão dada pelo Rei Louis XIV a Jean Talon era inequívoca: aumentar a população de Québec e das demais cidades. De imediato, ele realiza um censo para avaliar a situação, que acabou revelando aquele alarmante desequilíbrio que vimos no início do artigo. Talon propõe ao Rei que moças sejam recrutadas na França para virem se estabelecer e casar com os solteirões de Québec.

Em sete anos, mais de 1000 Filles du Roi desencalham os québecos da Nouvelle France.

Mas por quê Filles du Roi?

As moças eram chamadas de Filles du Roi, ou Filhas do Rei, pois foram patrocinadas pelo Rei Louis XIV tendo a sua indefectível proteção. Além de pagar as despesas de viagem na travessia do Atlântico, o Rei ainda subvencionava as roupas e a estadia das escolhidas e ainda dava um dinheirinho para o enxoval.

As Filles du Roi eram recrutadas nas regiões francesas de La Rochelle, Rouen e Paris. E quem elas eram, afinal?

Muitas eram órfãs, viúvas ou moças solteiras pobres. Estima-se que tinham entre 16 e 40 anos, com uma média de 24 anos na sua chegada em Québec. Entre 1667 e 1672, várias dessas Filles du Roi receberam 50 livres, e algumas poucas até 100, 200 livres, só não me pergunte quanto dá isso hoje, combinado? Como parâmetro, o preço pago pelo Rei para o transporte de cada Fille até o Québec foi de 60 livres.

Tecnicamente, somente as moças solteiras ou viúvas que foram patrocinadas pelo Rei Louis XIV entre 1663 e 1673 são chamadas de Filles du Roi.

As Filles du Roi eram prostitutas?

Essa é uma história de longa data em Québec e é praticamente um mito. Tudo começou quando o Barão Louis-Armand de Lom d’Arce, décadas depois, escreveu que essas mulheres eram moças de “meia virtude”. Isso não passava de preconceito, porque elas eram geralmente pobres, enquanto ele, um nobre Barão. O problema é que, com o tempo, a expressão “meia virtude” tornou-se sinônimo de prostitutas ou “mulheres de má vida” (filles de mauvaise vie, em francês). Aí, até provar que focinho de porco não é tomada, já viu, né?

Segundo Irène Belleau, presidente da Société d’histoire des Filles du Roy (Sociedade de História das Filhas do Rei), “houve [prostitutas], eu não o nego; eu encontrei uma boa dúzia delas que eram prostitutas. Mas é impossível que o comboio que deixou a França tenha tido [tantas] mulheres [prostitutas] já que, para a viagem, teriam que fornecer um certificado “de boa conduta”.

Segundo o historiador Yves Landry, autor do livro Filles du Roi au XVIIe Siècle, a alta taxa das fílles du Roi seria outro indicativo de que em sua grande maioria elas não eram prostitutas. Nas suas palavras: “Elas tinham uma forte fecundidade; isso é a prova de que elas não eram prostitutas.”

Uma boa parte dos québécois de origem francesa em Québec são descendentes diretos das Filles du Roy. Segundo o Jornal Le Devoir, em reportagem publicada em 7 de maio de 2018, por Isabelle Porter, mais de 1 milhão de Québecois descendem delas, ou seja, 9.35% dos nascidos em Québec.

Boa parte dos Québecois de origem francesa aqui em Québec são decendentes diretos das Filles du Roy.

Desafios enfrentados pelas Filles du Roi

Como na França, esperava-se que essas mulheres pudessem alimentar e vestir sua família. Segundo os registros, cada uma delas recebeu um caixote com acessórios pessoais que incluíam utensílios de costura e vestimentas para o frio. No caixote havia agulhas, fios, tesouras e várias outras coisas.

Segundo alguns historiadores, muitas das filles du Roi (provavelmente não a maioria) tiveram a oportunidade de poder escolher com quem se casariam – afinal, estava “chovendo homens”.

Ao chegarem em Québec, elas eram hospedadas geralmente pelas freiras e recebiam alimento e cuidados até o casamento. Quase todas se casavam rapidamente. Segundo os relatórios dos administradores, um bom número delas estava mal preparada para as dificuldades da vida no interior, uma vez que vinham de cidades grandes, urbanizadas. No entanto, como menciona a Enciclopédia Canadense, elas conseguiram superar este desafio!

O ambiente canadense, mais rico em recursos alimentares e baixa densidade populacional as permitiu ter muito mais filhos e a viver muito mais do que suas primas que ficaram na França.

The Canadian Encyclopedia

Deu certo?

Jean Talon adota algumas medidas a fim de melhorar o povoamento da colônia. Em 20 de outubro de 1671, Talon publica uma lei na qual todos os homens solteiros deveriam se casar com as mulheres vindas da França sob pena de não poderem mais pescar, caçar ou fazer comércio de peles.

Além disso, Talon instaura medidas de natalidade. Prêmios em dinheiro eram dados às famílias com mais de 10 filhos e àqueles que se casavam mais cedo (quero dizer, precocemente mesmo). Os resultados não tardaram: em 1671, nascem entre 600 e 700 crianças na colônia. Durante sua administração, de apenas 7 anos, a população da Nouvelle France mais que dobrou, passando de 3.215, em 1665, a 7.605 habitantes, em 1672.

Gostou de conhecer a história das Filles du Roi?

Então fique ligado no nosso canal no YouTube, o Québec em Foco, que estamos preparando um vídeo especial sobre o tema.

Se gostou do artigo, deixa seu comentário e compartilhe sem qualquer moderação. O Ministério do Conhecimento adverte.

Até a próxima!

Fontes e Referências

Autor

  • William é brasileiro, nascido na cidade de Feliz, no interior do Rio Grande do Sul. Mora em Québec desde 2019 e é um aficcionado por história. Com formação na área de tecnologia e de línguas antigas, é o apresentador do canal Québec em Foco no YouTube e também do bloco Café com História do podcast Conexão Québec.

Compartilhar: